Último grito

Postado por Nessa Costa , domingo, 6 de junho de 2010 domingo, junho 06, 2010

A 5ªedição do Focas do Q? infelizmente já acabou. E modéstia a parte, em grande estilo. Mas eu não podia deixar de fazer mais esse registro.

Eu, a Juliana e a Thamires, escrevemos sobre a Copa do Mundo no mundo. Quando a pauta foi definida, eu logo pensei em entrar em contato com um sul-africano. Mas não foi fácil! Consegui o email de dois, que me passaram para outro, que passaram para outro... Queríamos um adolescente que nos contasse quais eram as expectativas dele com o mundial. Encontrei um menino de 16 anos, enviamos as perguntas e ele não respondeu. Acabamos entrevistando o Luambo wa-ha Mabaso, de 27 anos, que nos passou informações bem interessantes.

Então, hoje eu abro o meu email, e adivinhem? O guri respondeu! E eu tinha que compartilhar as expectativas dele com vocês. Abaixo seguem as respostas do Herman Siebert, 16 anos, sul-africano.

"Quando veio a notícia de que a África do Sul iria sediar a Copa do Mundo 2010, estávamos todos muito animados. Mas a medida que o tempo passava surgiram muitas dúvidas sobre a capacidade do país receber um grande evento como este.
Minhas expectativas para esta Copa do Mundo são a melhores. Penso que este vai ser o mais emocionante e espetacular evento da Copa do Mundo. E acredito que Bafana Bafana estão indo para ganhar. Penso que temos o potencial, empenho e dedicação, apesar de todas as opiniões negativas que as pessoas possam ter.
Sim, nós africanos somos realmente apaixonados por futebol, tanto o local quanto o internacional. Na África do Sul, o futebol é muitas vezes conhecido como Diski, por isso a Diski Dance.
Não há uma parte da África do Sul em que o futebol não seja jogado com paixão. Todos nós estamos muito animados para a Copa do Mundo e não pensamos duas vezes em faltar à escola a fim de assistir aos jogos.
Houve muitas pessoas engraçadas que pintaram seus corpos e dançavam nas ruas cantando hinos.
Penso que a equipe de futebol sul-africano; Bafana Bafana, vai ganhar a Copa do Mundo de 2010, e estou apoiando eles de coração.
Muitas pessoas torcem pelo Brasil, mas a África do Sul é a nova favorita.
Eu não jogo futebol, mas estou ciente das famosas estrelas do futebol brasileiro e da sua reputação pelas habilidades notáveis em termos de controle sobre a bola.
Claro que eu não vou perder a oportunidade de assistir os jogos nos estádios, mas quando não for possível eu ir, assistirei os jogos em casa com meus amigos".


Focas entregam caderno Q? no Centro de Convivência

Postado por Emilin Grings , quarta-feira, 26 de maio de 2010 quarta-feira, maio 26, 2010



Satisfação. Euforia. Isso estava explícito nos rostos das focas do Q? ao entregar edições do caderno no Centro de Convivência da Unisc. Foram inúmeras as pessoas que pediram exemplares do trabalho dos jovens jornalísticas, o que fez o orgulho deles ficar cada vez maior.

Fatos como esses só confirmam a fala do professor Demétrio em nossa reunião hoje: "A intersecção entre o mercado e a academia é a melhor forma de aprendizado. Conhecimentos compartilhados tanto entre os alunos que participam do projeto quanto pelos profissionais que se envolvem com ele.

Além das páginas do caderno

Postado por Laura Gomes quarta-feira, maio 26, 2010

O dia 26 de maio com certeza ficará na memória de todos os participantes da 5º edição do Focas do Q?. Hoje recebemos em mãos o que planejamos durante dois meses. E o resultado ficou incrível, ou melhor, a #coisamaisamor. Embora tivéssemos nossos colegas de pauta, o caderno foi feito em equipe. Nada melhor do que um foca presente para nos auxiliar. Muitas discussões, planos e buscas foram feitos, todos com o intuito de realizar um bom trabalho.

E nós conseguimos. Nosso caderno foi reconhecido e muito comentado, o que nos alegra ainda mais. Portanto, gostaria de parabenizar meus colegas de Focas por tudo isso. Com essa edição descobri o que é trabalho de equipe e adquiri muitos conhecimentos que não pensei encontrar agora.
Como estou no primeiro semestre, ainda não sabia muito bem o que fazer. Até posso dizer que em alguns momentos estava um pouco perdida. Mas eu não estava sozinha. Meu colega de pauta, o Renan, me ajudou muito em todas as situações que a nossa matéria proporcionou. Nunca pensei em fazer uma matéria para o jornal impresso no 1º semestre do curso. Ou melhor, nunca pensei em fazer uma matéria no começo da vida universitária para a Gazeta.
Também gostaria de agradecer todo pessoal que me escutou durante esse período. Todos sempre me diziam que no final dá tudo certo. E deu.
Então é isso. Ao longo de dois meses nos tornamos quase uma família, aprendemos muito e trabalhamos bastante. Mas cada momento foi único e muito bem aproveitado. O recado que deixo agora é o seguinte: aproveitem as oportunidades. Por mais que o caminho pareça difícil, nunca deixe de tentar. Porque vai dar certo no final!
Valeu pessoal!

Com o Focas do Q? nas mãos

Postado por João Cléber Caramez quarta-feira, maio 26, 2010

Pois é, minha gente. A expectativa para a chegada desta quarta-feira, dia da publicação da 5ª Edição do Focas do Q? era grande. Todos os colegas que estão no projeto não paravam de falar sobre isso. Enfim, a aflição chegou ao fim. Hoje, tivemos a oportunidade de ter o caderno em nossas mãos. Como outros amigos já citaram, formou-se uma família, amizades que ficarão. O orgulho de fazer um trabalho na prática impera. A Emilin destaca muito bem: "a mãe sempre acha o que fazemos muito bom. Está sempre lindo". Apoiadoras incondicionais, elas são as primeiras leitoras. E para nós, a palavra delas sempre é fundamental.
Hoje, quando vi a Gazeta do Sul, a alegria foi a sensação que senti. De ver o que planejamos, executado naquelas páginas. É o maior prazer para um (quase) jornalista ver sua matéria publicada. Além disso, o grupo esteve focado, buscou coisas curiosas e interessantes sobre a temática Copa do Mundo. A ajuda foi mútua. Todos contribuiram para o bom andamento do processo. Para quem estava de fora, a Blau deu conta de relatar tudo o que acontecia através da coluna semanal. Este blog e ainda o twitter, também foram meios de saber da atuação dos focas.
Não precisamos ficar tristes. O projeto encerra-se aqui, mas terão outras edições. O que podemos aproveitar é a carga de conhecimento obtido, novas experiências para contar aos próximos focas e ainda as confraternizações que realçam a união desta equipe. Momentos de muita diversão. Não podemos esquecer dos apontamentos da dupla Jansle e Gelson, que indicaram os atalhos para seguir e reforçar a identidade do Q? Através dele, podemos entrar no clima do "Rumo ao Hexa". Bom trabalho, pessoal!!
Forte abraço a todos, muito obrigado pela parceria de sempre. Valeu!

Na prorrogação eu cheguei

Postado por Marília quarta-feira, maio 26, 2010

Oi pessoal, hoje resolvi aparecer por aqui. Aos 47 do segundo tempo, mas ainda em tempo. Como já disse a Bruna no post atnerior nestas últimas semanas estávamos ansiosos para ver com que cara ia nascer o nosso "filho". E ele nasceu, melhor do que a gente esperava.

Mesmo nós ontem tendo participado da revisão ver impresso é outra história. É um gostinho especial. A equipe, ops, família Focas da Silva trabalhou junto, aprendemos que juntos o trabalho sairia melhor. Nenhuma matéria foi fechada e entregue para o Jansle sem que antes um foca desse um pitaco. Fosse sobre o título, ou sobre o que cortar. Já que os caracteres estavam estourando.

Nesse um mês e pouco que trabalhamos juntos descobrimos colegas além da nossa turma, amigos, confidentes, companheiros de tardes na Unisc. Parecerias para tomar um banho de chuva fazendo uma matéria. Colegas "quebrando" o galho sobre a foto que o outro não poderia fazer. Enfim, a família Focas da Silva, e hoje está à disposição de vocês o nosso mais novo membro. Que modéstia a parte ficou lindo. Se não viu impresso confere a versão em pdf. E continua nos seguindo no twitter.

Família Foca

Postado por Emilin Grings quarta-feira, maio 26, 2010

É a segunda vez que participo do projeto Focas do Q?, mas a satisfação em ter o trabalho publicado é a igual à primeira que participei. Para quem está sempre em busca de qualificação e experiência, ver o seu texto em um jornal de grande circulação como a Gazeta, é motivo de orgulho para qualquer jovem jornalista. Tenho certeza que esse é o sentimento de todos os Focas hoje.

Tem também aquela história de mostrar para a mãe, que sempre vai achar lindo qualquer trabalho seu, mesmo que seja uma M... Neste caso não porque, mosdetia à parte, ficou muito bom. Aí a mãe vai mostrar para os tios, primos, vai levar no trabalho dela e dizer: "Esse texto foi a minha filha que fez". Só para esclarescer, a minha mãe faz isso mesmo.

Mas nem tudo são flores com a publicação do caderno. Tem um porém: a nossa família Silva (como foi colocado pela Blau na coluna do Q?) tem seu último encontro hoje, com direito à comemoração, inclusive. Pois é gente, além de colegas nos tornamos bons amigos ao longo desta trajetória de dois meses que nos reunimos. Compartilhamos experiências e nos divertimos muiiiito. Infelizmente, chegou ao fim...
Chega!! Vou parar de escrever se não começo a chorar... hehehehe

#coisamaisamor

Postado por Bruna Travi quarta-feira, maio 26, 2010

Até ontem, éramos pais na maternidade de qualquer hospital. Ansiosos para ver o rostinho e pegar no colo. Por mais que estivéssemos participado do processo, o produto final era ainda um enigma.

Éramos, então, os Focas esperando pelo seu quinto filho. O primogênito de alguns, mas o quinto menino do projeto. Menino apenas por "caderno" ser palavra masculina, pois as meninas estiveram por lá. E, digo mais, entendiam mais de Copa do Mundo do que muito marmanjo.

Bom, hoje ele está lá. E aqui. E na minha casa. E no site. E no Centro de Convivências da Unisc hoje de noite. E na Imigrantes também de noite. E espalhado por todo lugar. É o que nos escrevemos sendo lido por tanta gente.


Não por nada, mais ficou #coisamaisamor
Não acredita? Confere...

Ah, e esperamos a sua opinião no twitter também: @focasdoq

Beijo, nos sigam!

Seleção heptacampeã em 2014?

Postado por Emilin Grings , terça-feira, 25 de maio de 2010 terça-feira, maio 25, 2010


Ainda não tinha entrado em ritmo de Copa do Mundo. Parecia algo distante para mim. Isso até quinta-feira passada (20/05), que esteve aqui na Unisc o jornalista e colunista esportivo Juca Kfouri no evento Diálogos Unversitários. Juca é o cara quando se fala em futebol, e ele comentou que o Brasil tem grandes chances de conquistar o hexa.

Entre outros assuntos, o jornalista comentou que acredita piamente que a seleção vença a Copa, "...sem brilho. Como foi em 1994", destacou Kfouri. Além disso, lembrou que a pior derrota dos brasileiros foi no mundial de 1950 realizado aqui em nosso país. Na final precisando apenas de um empate e ainda saindo na frente no placar diante do Uruguai, a seleção cedeu a virada.

Então, Juca Kfouri alertou: "se ganharmos neste ano, em 2014 é obrigatório, a copa vai ser aqui". Deus te ouça, Juca, e como diz o Galvão Bueno, "Haja coração", para aguentar tanta emoção.

Ahh, pessoal está chegando a hora!! Focas do Q? na gazeta. É AMANHÃ!!

Está chegando a hora

Postado por João Cléber Caramez , segunda-feira, 24 de maio de 2010 segunda-feira, maio 24, 2010

O caderno especial produzido pelos focas está quase na hora de ser publicado. Na quarta-feira, o Focas do Q? estará nas mãos do leitores da Gazeta do Sul. Motivo de alegria para a galera que é fã do Q? Para nós, estudantes de Comunicação Social da Unisc, também é um momento de contentamento. Afinal, mais um trabalho realizado. Chegamos à 5ª edição desta parceria entre a academia e o mercado de trabalho. E agora, esteve todo mundo envolvido. As quatro habilitações do curso contribuíram para a produção. Todos puderam aprender mais e ganhar experiência.
Além disso, o trabalho em equipe foi evidenciado. Este é um item indispensável para a boa formação. Fora isso, o grupo esteve bem entrosado. Criaram-se amizades que possivelmente ficarão após a conclusão do projeto. Tivemos a oportunidade de passar por situações que marcam, principalmente o pessoal que está começando no curso, que a cada semana contam sobre as aventuras e curiosidades das reportagens. Agora, ficaremos no aguardo desta quarta-feira. Espero que todos gostem e que o caderno coloque os leitores ainda mais dentro do clima de Copa do Mundo. Tem muita coisa diferente e interessante. Aguardem e confiram o 5º Focas do Q?

Focas do q? - making of Copa das Mulhres

Postado por Emilin Grings , quarta-feira, 19 de maio de 2010 quarta-feira, maio 19, 2010

Como jogará o continente africano nesta Copa?

Postado por João Cléber Caramez , terça-feira, 18 de maio de 2010 terça-feira, maio 18, 2010

Sempre gostei do futebol africano. Lembro das boas seleções que tinham Camarões e Nigéria quando comecei a acompanhar futebol. Nas Copas de 1994, 98 e em outras depois, tínhamos o habilidoso meia nigeriano Okocha e uma seleção que jogava em um padrão, além de ser bastante ofensiva. O camaronês Oman - Byik era um atacante que chamava atenção e além de seus uniformes coloridos, a seleção atraía os holofotes pela alegria de jogar e comemorar seus gols. Chegaram a surpreender em diversas Olimpíadas. A Seleção Brasileira bem sabe...

Ainda tivemos algumas seleções que surgiram e foram destaque. Senegal, em 2002, chegou a derrotar a França na estreia e foi longe na competição. Gana e Costa do Marfim são as que mais se destacaram do último Mundial, com jogadores que tem experiência no futebol europeu e ao lado de estrelas da bola, atuam em equipes de ponta. Na Copa em seu seu continente, a expectativa é de que as cinco seleções africanas consigam chegar onde nunca estiveram. Apesar disso, a anfitriã África do Sul comandada pelo brasileiro Carlos Alberto Parreira, chega com um time que não empolga. Vai depender da torcida local, que acredita no sucesso da seleção e em seu bom desempenho.

Fica a expectativa sobre a Argélia, representante da cultura árabe na disputa. Costa do Marfim e Gana, já citadas, que continuam a ser os destaques do continente; os marfinenses no grupo do Brasil contam com o goleador Drogba como trunfo para fazer um Mundial louvável e Gana tem Muntari em destaque em seu meio-campo. A outra representante é a seleção de Camarões. A referência para eles é Eto'o, esperança de muitas bolas nas redes adversárias. O negócio é aguardar. O futebol alegre é certo que estará presente.

Lesão no tornozelo tira Michael Ballack da Copa

Postado por Emilin Grings , segunda-feira, 17 de maio de 2010 segunda-feira, maio 17, 2010


Capitão da Alemanha, que ficará fora dos campos por oito semanas, critica Boateng pela entrada violenta

A Alemanha sofreu uma baixa importante nesta segunda-feira para a disputa Copa do Mundo, na África do Sul. Michel Ballack, capitão da seleção, foi examinado nesta manhã e foi constatada uma grave lesão no tornozelo.

O exame que foi feito em Munique mostrou que Ballack rompeu os ligamentos do tornozelo direito. Segundo o médico da seleção Hans-Wilhelm Müller-Wohlfahrt, o meia precisará de oito semanas para voltar a jogar.

Ballack sofreu a lesão no último jogo do Chelsea na temporada durante a decisão da Copa da Inglaterra. O jogador alemão recebeu uma entrada forte de Kevin-Prince Boateng, do Portsmouth, e teve que ser substituído ainda na primeira etapa.


Fonte GLOBOESPORTE.COM Munique, Alemanha

Ruim para a seleção e para nós também, não é meninas? Um colírio a menos para os nossos olhos.

Quem tem medo do Dead Line...

Postado por Renan Silva , domingo, 16 de maio de 2010 domingo, maio 16, 2010

No jornalismo, "dead line" é o prazo final para entrega de uma matéria. É um momento sempre tenso e, pode se dizer, bastante amedrontador para um Foca. A verdade é que ficamos na expectativa pela avaliação do editor, dos colegas e do professor. Pensamos, "e se eles não gostarem?". Mas mais do que isso, ficamos com muito medo que vocês, nosso público, nossos leitores, não sintam o tesão esperado por nossas humildes matérias. É claro que nos esforçamos ao máximo para atingirmos o resultado esperado, e mais do que tudo, levar o melhor texto possível até vocês. Mas o medo persiste até o dia da publicação.

Quarta-feira é nosso Dead Line. E aí, o que fazer? As matérias estão quase prontas. Últimos acertos, últimos cortes. As discussões também estão chegando ao fim. A verdade é que não foram poucas as vezes que eu e minha colega de pauta, Laura Gomes, brigamos. Brigamos não, ela brigou comigo, e eu tentei entrar em acordo. E sinceramente, muitas vezes mereci levar um puxão de orelha. A Laura foi a minha consciênca, e é importante que isso seja reconhecido. Mas é a tensão. No fim, sempre voltávamos a conversar numa boa, e tomamos sempre aquelas que julgamos serem as melhores decisões. O resultado? Vocês vão conferir no Caderno Q? especial produzido por nós, Focas, que sai no dia 26. Até lá, confiram as atualizações aqui no blog, e façam parte dos bastidores dessa história.

No ritmo da Copa

Postado por Nessa Costa , sábado, 15 de maio de 2010 sábado, maio 15, 2010

Na primeira vez em que o Campeonato Mundial de Futebol chega ao continente, a África do Sul se prepara para receber os turistas em ritmo africano. É a Diski Dance que tá fazendo o maior sucesso por lá. "Esqueça a macarena. Esqueça o moon walk", publicou um site de notícias sul africano.

A Diski Dance, é constituída por uma série de movimentos que lembram o futebol. A dança foi parar na telinha, em forma de informe publicitário para o turismo sul africano, com o objetivo de gerar emoção no exterior antes do Mundial de 2010.

O anúncio vai ao ar em canais globais, incluindo CNN, BBC, Eurosport e Skysport que antecederam o pontapé inicial da Copa do Mundo, em 11 de Junho de 2010, dando aos fãs do futebol a chance de aprender os movimentos e "sentir o ritmo do futebol Africano".
Assita o comercial
aqui.

E a música oficial da Copa, vocês conhecem?
Segundo o mesmo site de notícias linkado antes, "Waka Waka - This time for Africa", exprime a energia e a vitalidade do continente Africano. A música dáuma prévia do que os fãs de futebol irão encontrar na África do Sul: vivacidade e dinamismo.
Ouça a música oficial da Copa do Mundo 2010.

A arte de reportar

Postado por Renan Silva , sexta-feira, 14 de maio de 2010 sexta-feira, maio 14, 2010

Venho aqui principalmente para citar uma frase que ouvi em uma palestra, há alguns dias, dita por uma jornalista de respeito. Disse ela que "ser repórter é gostar de gente". Confesso que no início não compreendi direito o que essas seis palavrinhas significam. Na verdade, ainda não sei se compreendo direito o que ela quis dizer. Mas desde então, tento seguir meu caminho na área de acordo com o significado que essa frase assumiu para mim.

Gostar de gente parece algo tão sem sentido. Afinal, somos humanos, e naturalmente gostamos das pessoas, gostamos do convívio e das conversas. Mas gostamos mesmo? Ou apenas aprendemos a suportar assuntos chatos, com pessoas que, aparentemente, não têm nada a nos acrescentar? A verdade é que não gostamos de tratar de assuntos que não sejam do nosso interesse, que não façam parte (mesmo que indiretamente) das nossas vidas. Não seria exagero dizer que somos um pouco egoístas nesse aspecto. E isso não é uma crítica, não mesmo, afinal, todos temos isso presente em nossas rotinas.

Mas é esse o ponto que diferencia um repórter de qualquer outra pessoa. Aprendemos a falar de assuntos que não dominamos. Aprendemos a ouvir fontes que nos parecem desinteressantes, e nos despimos dos preconceitos. Reportar é um desafio que enfrentamos diariamente. Como falar de algo "chato" de forma interessante? E como chamar a atenção de um leitor para esse assunto? São os desafios de ser repórter.

Gostar de gente é aprender a ouvir, principalmente. É sentir, realmente, vontade de ouvir o que cada entrevistado tem a nos contar. É saber captar a melhor fala, o melhor depoimento, a melhor informação, e nunca pensar que uma fonte não tem nada a lhe acrescentar. É ter paciência para conduzir uma entrevista, e cara de pau para perguntar aquilo que ninguém teria coragem. É ter tino para sacar o que ficou nas entrelinhas. Acima de tudo, gostar de gente, é sentir prazer por cada conversa, cada depoimento colhido e ter a certeza de que aquela entrevista trouxe aprendizado aos dois lados. Pensando bem, ser repórter nada mais é do que isso: um constante aprendizado.

Copa do Mundo rende boas histórias

Postado por João Cléber Caramez sexta-feira, maio 14, 2010

Na última segunda-feira, abaixo de muita chuva, eu e Bruna fomos até a casa de um dos entrevistados que farão parte da nossa matéria para o Focas do Q? A entrevista transcorreu de forma muito boa. Ele nos recebeu muito bem e relatou algumas experiências que já viveu em Copa do Mundo. Inclusive, uma loucura durante o Mundial. Como ele acompanha e gosta de futebol, a conversa foi mais solta, com detalhes interessantes. Como, por exemplo, lembranças da Copa de 1998, 2002 e 2006.


Enquanto isso, a Bruna fazia seus cliques, como este. Conversamos sobre vários assuntos relacionados à Copa. A pauta ganhou outros aspectos acrescentados pela fonte. A Bruna ficou contente em saber que ele também tinha o álbum da Copa e poderia trocar figurinhas com ela. Era um Ronaldinho pra cá, um Ribery pra lá e mais uns escudos da Coréia do Sul, da Eslovênia, etc... Mas, resolvemos manter a sua identidade em sigilo. Ficou curioso? Quer saber quem é? Então, leia a matéria na edição especial dos Focas no caderno Q?

Nem tudo são flores

Postado por Laura Gomes , quarta-feira, 12 de maio de 2010 quarta-feira, maio 12, 2010

Tenho uma confissão. Hoje levamos um bolo. Calma, vou explicar. Eu e o meu colega de pauta, Renan, marcamos uma entrevista com a nossa fonte. Na hora e no local marcado, lá estávamos nós, na companhia da Thamires. E nós esperamos. O pessoal passava na calçada, e a gente continuava ali, esperando. Até chamamos um pouco de atenção, porque o Renan começou a tirar fotos, e as pessoas paravam pra ver o que era aquilo. E pra melhorar, começou a chover. Como ainda estávamos com esperança, aproveitamos o banho de chuva para passear, e depois voltamos ao lugar marcado. E nada. Sim, aceitamos a realidade. Nossa fonte nos deu um lindo bolo.
Voltando pra Unisc, começamos a pensar em fontes substitutas. Uma das coisas mais legais do projeto é que toda a equipe acaba ajudando em todas as matérias. Algumas ligações depois, com a ajuda da Carine e da Marília, conseguimos marcar mais entrevistas. Bom, o resultado de tudo isso você vai poder conferir em breve! Mas eu garanto, a edição vai ficar linda.
Mas enquanto não chega a hora do lançamento, continuem espiando os bastidores do Focas aqui no blog! Espero comentários!!!

ENQUETE: qual o jogador mais bonito da copa?

Postado por Yaya / , segunda-feira, 10 de maio de 2010 segunda-feira, maio 10, 2010

Olá leitores do blog dos focas!

Venho aqui alertar vocês sobre a enquete que está rolando aqui no Blog. O que queremos saber, é qual os jogadores entre os que estão citados na enquete, o que vocês acham mais bonito?
A enquete está localizada no lado direito do blog, logo abaixo do logo dos focas do Q?
Claro que as meninas se sentirão mais à vontade em responder, mas, os garotos, também estão convidados a particpar!
Relembrando que o resultado além de ser divulgado no blog, também sairá na edição do Q? do dia 26 de maio, confeccionada por nós, focas.
Então pessoal, votem!

A arte de entrevistar

Postado por Emilin Grings , domingo, 9 de maio de 2010 domingo, maio 09, 2010


Na quarta feira fiz minha primeira entrevista para a matéria do Focas do Q? Ocorreu tudo bem. Fui até o colégio Ernesto Alves para entrevistar 5 meninas. Nos reunimos na biblioteca da escola para conversar.

Sempre quando vou fazer um entrevista bate um receio. Será que as fontes vão responder exatamente aquilo que eu quero que elas respondam? Desta vez tive sorte as meninas eram supersimpáticas. Corresponderam a todas as minhas expectativas.

Além disso, essa foi a primeira vez que fiz uma entrevista em forma de bate-papo. Com fontes mais jovens não adianta vir com muitas perguntas pré-estabelecidas. É preciso deixar a conversa rolar.

E fazer uma boa entrevista não é para qualquer um. Exige muita habilidade. Ainda estou aprendendo a realizar da melhor forma a arte de entrevistar.

Agora tenho que esquematizar o texto. Colocar as ideias em ordem. Isso nem sempre é fácil.

Aqui tem focas de outros mares

Postado por João Cléber Caramez , sexta-feira, 7 de maio de 2010 sexta-feira, maio 07, 2010

Quando nos inscrevemos no Focas do Q?, ficamos na expectativa da seleção e quando sabemos a notícia de que fomos selecionados, o sentimento é de alegria por estar em projeto que expande o aprendizado da academia em uma atividade prática. Mas, não temos noção de quem podemos encontrar e com quem iremos conviver nas próximas semanas. De repente, colegas já conhecidos estão ao nosso lado. E outras caras estranhas aparecem e passamos a conhecê-las. Em pouco tempo, após o início dos trabalhos, estamos todos entrosados e temos a impressão de que somos colegas há anos.
Nesse Focas do Q?, podemos reparar que tem focas de outros mares por aqui. Temos os representantes locais, no caso; a Blau, a Thamires, a Vanessa Britto, a Yaundé (de Ilheús-BA, mas há anos por aqui) e a Bruna (veio há bastante tempo de Porto Alegre). Alguns membros vieram das mais variadas cidades. Renan e Marília são os de Rio Pardo. É próximo, não causa tanta estranheza. De perto também, temos a Carine que vem da pequena Sinimbu e a Vanessa Costa, de Pantano Grande e ainda o Giovani, de Vera Cruz. Na beira do Taquari, a cidade de Arroio do Meio, um pouco mais longe, é de onde veio a Taissi. A Emilin e a Juliana são do time de Cachoeira do Sul. E ainda não é tudo. Da cidade de Agudo, região central do estado, tem a Samara. Para completar, temos no grupo a missioneira Laura, da legendária Santo Ângelo. E este que escreve tem Vacaria como querência (apesar de ter nascido em Votorantim-SP).
Como pudemos ver na escalação, tem foca de tudo quanto é lado. Uma equipe miscigenada e que traz dos seus lugares de origem, muitas características que podem contribuir com as que encontramos em Santa Cruz do Sul. Esta mistura é uma receita que faz o Focas do Q? ser algo especial. A diversidade enriquece, não apenas na questão dos locais de origem, mas em todos os sentidos. Dessa forma, temos várias linhas de pensamento e os elementos que cada um acrescenta formarão a essência de um trabalho tão especial.